Investir em ações no exterior é um assunto um tanto quanto confuso para a maioria dos brasileiros. Simplesmente, não temos este hábito, esta cultura. O que muita gente não sabe, no entanto, é que fazer investimentos fora do Brasil pode ser muito vantajoso, especialmente se considerarmos que nossa participação na economia mundial é de menos de 5% — não vale a pena participar da fatia maior?

Para o Banco Central, investimento no exterior é toda aquisição de ações de empresas estrangeiras pelos brasileiros. E a formalização destas aquisições pode ser feita tanto no Brasil, por meio das chamadas BDRs (Brazilian Depositary Receipts), ou diretamente no país onde ocorre o investimento. A partir de 2006, o BACEN autorizou os brasileiros a investirem em fundos de investimentos internacionais, o que vem aumentando gradativamente (e timidamente) nossa participação no mercado global.

O investimento no exterior, obviamente, depende muito dos objetivos e do conhecimento do do investidor. De qualquer forma, há inúmeras razões para investir além do mercado nacional.

As vantagens de investir no exterior

Diversificar os riscos

Do ponto de vista dos investimentos pessoais, fazer a diversificação de investimentos no exterior tem sido uma alternativa rentável para quem tem conhecimento e está atento às movimentações do mercado global. Ao mesmo tempo, diversificam-se os riscos, pois os recursos não ficam atrelados apenas a um país, a uma economia regida por apenas um governo.

Um dos caminhos para investir no exterior é comprar os BDRs não patrocinados nível 1, que são produtos negociados na BMF Bovespa. São recibos que representam ações de companhias estrangeiras, como Apple, Amazon, Google e Wall Mart, para citar as mais famosas.

Para investir neste tipo de BDRN, é preciso comprovar qualificação como investidor (ter mais de 1 milhão de reais em aplicações financeiras) para que a BMF Bovespa aceite a negociação. Mas há diversos bancos que estão abrindo fundos de investimentos com volume de aplicações menor, o que pode ser uma alternativa para investidores menores.

Dolarizar o patrimônio

Entre as vantagens de se investir no exterior, destacam-se a dolarização do passivo natural do brasileiro. Quem investiu no exterior nos últimos anos, com a crise atual da economia brasileira já está percebendo as vantagens desta decisão. Com o aumento da inflação e o dólar em alta em relação ao real, a conversão dos rendimentos no exterior para a nossa moeda se mostra extremamente favorável. O dólar, como se diz no mercado financeiro, é o “porto seguro” do mundo dos investimentos.

Olhando para um ponto de vista de “blindagem” do patrimônio, investir no exterior também é uma vantagem, pois não se está guardando o dinheiro todo num país que vem pouco a pouco perdendo a capacidade de crescimento em relação ao restante do mundo.

Leia também: Saiba como garantir uma melhor rentabilidade para seus investimentos.

Ter acesso a uma quantidade maior de investimentos

Quando faz investimentos nos Estados Unidos, por exemplo, o investidor tem inúmeras possibilidades em produtos financeiros em todo o mundo. Vale lembrar que a economia americana facilita os investimentos e simplifica, portanto, o investidor enfrenta muito menos burocracias do que no Brasil.

Estudar o mercado é fundamental

Obviamente, fazer investimentos no exterior não é tarefa fácil. Exige conhecimento e traquejo com as inúmeras regras – que variam de país para país, inclusive – e riscos que se assume.

Um bom conselho para quem quer diversificar seus investimentos e apostar no capital internacional é buscar ajuda de uma consultoria especializada. Assim, corre-se menos riscos e é possível obter resultados significativos.

Leia também: Os 4 grandes erros cometidos pelo investidor.

Você está pensando em investir no exterior? Tem dúvidas e gostaria de auxílio? Faça contato conosco ou deixe um comentário!