O prazo de carência é uma dúvida recorrente para os investidores. Quando ele é aplicado e em quais casos se faz valer? Entender melhor essa questão é fundamental para ter maior controle sobre os rendimentos.

A renda fixa tem suas próprias características e o prazo de carência faz parte disso, de modo que o investidor receba seus lucros de maneira segura para ambas as partes. Vamos conhecer um pouco mais sobre o assunto? O post a seguir trará tudo que você precisa saber sobre como funciona o prazo de carência em títulos de renda fixa. Continue a leitura e confira!

O que é o prazo de carência?

A carência pode ser explicada como um período mínimo em que o valor deve ficar retido com a instituição financeira, não podendo ser retirado. Durante esse tempo, o investimento está em processo de rentabilidade para chegar aos ganhos pré-estabelecidos.

Esse prazo é definido de maneiras próprias e diferentes, de acordo com a instituição financeira. Algumas só permitem a retirada de dinheiro no fim do título, ou seja, nesse caso o cliente deve esperar até o fim. Em alguns casos, esse vencimento pode levar até mesmo anos para encerrar.

O importante é estar atento ao que dispõe cada aplicação fixa oferecida pelas instituições. Há também aquelas que disponibilizam a retirada antes, com o prazo de carência vencendo antes do fim do título. Após o término do período, o investimento entra em liquidez diária, obtendo a segurança necessária com lucro, para que o cliente possa então retirar o dinheiro no momento em que preferir.

Como o prazo de carência é definido?

Os prazos de carência variam de acordo com o tipo de aplicação em renda fixa e também com a instituição financeira à frente do investimento sendo realizado. É importante frisar que, por mais que impeça o investidor de retirar o dinheiro, esse período tem sua vantagem para a aplicação.

Geralmente, nos investimentos em que há a carência, as possibilidades de lucro são muito maiores, já que a instituição trabalha por mais tempo em busca de fazer render o montante aplicado inicialmente. Além disso, respeitando a carência o investidor paga somente a taxa pré-acordada.

Quando o saque é feito durante o período de carência, o investidor fica sob o risco de não receber nenhum lucro, e sim apenas o dinheiro aplicado, além de possivelmente sofrer com a incidência de taxas de IOF sobre o montante.

Quais as principais diferenças para o investidor?

É importante levar em consideração alguns pontos no que diz respeito às vantagens e desvantagens do investimento com carência, levando em consideração qual a real necessidade do investidor em curto e longo prazo.

As aplicações com carência apresentam mais possibilidades de ganhos, entretanto, com um prazo estabelecido. Como vimos, em alguns casos, a carência só termina no vencimento do título, e isso pode demorar.

Esse tipo de investimento é recomendado para quem está visando a uma aplicação em longo prazo e que não vá precisar desse dinheiro com urgência, já que há um tempo determinado para que o cliente comece a sacar.

Quando o investimento não possui carência, sua liquidez é maior, ou seja, ele rende diariamente e você pode retirar a qualquer momento. Essa já passa a ser uma aplicação que só será interessante se o montante investido for mais alto. Sendo assim, os lucros são maiores e perfeitos para quem precisa retirar o dinheiro em um período de tempo mais curto.

Quando a carência é aplicada?

Mesmo não sendo muito bem vista por alguns investidores, a carência tem seu papel importante nos índices de rendimentos do valor aplicado inicialmente. Ela existe justamente para proteger o dinheiro de variações.

A carência é aplicada quando a instituição está ciente de que, para aquele título de renda fixa, é necessário um prazo maior para que haja mais rendimento, sem que o cliente consiga interferir em um curto prazo e ter resultados ruins no seu investimento.

A questão da carência também leva em conta o fato de nos investimentos de renda fixa as possibilidades de lucro estarem associadas à ideia de um ganho em longo prazo, tendo em vista que é uma aplicação voltada aos investidores com um perfil conservador.

Essa característica está associada aos que preferem ter um rendimento menor, mas com a garantia de que estarão pouco expostos a perdas. Cada tipo de investidor tem uma aplicação mais recomendada para seu perfil, e as instituições costumam oferecer esse direcionamento.

Quais dúvidas tirar antes de fazer esse investimento?

Como foi possível perceber ao longo deste conteúdo, o investimento de renda fixa tem suas características próprias, com regras bem definidas e pré-estabelecidas antes da contratação dos serviços de uma instituição, seja ela um banco, seja uma agência de investimentos. Veja agora duas dúvidas que você precisa tirar antes de fazer esse investimento:

Atente às regras

É importante que o investidor se certifique de tudo que está envolvido na aplicação pela qual ele está optando, especialmente as regras de retirada. Além da própria carência em si, há também as definições do prazo do fim do título. É sempre interessante saber se essas duas datas estão associadas, pois, nesse caso, o tempo para retirada do valor pode ser bem mais alto do que o investidor esperava.

Verifique as taxas

Além disso, é importante saber sobre todas as taxas, desde as que a instituição cobra sobre o valor investido até as incidências em caso de retirada antes do prazo de carência. Lembrando que, quando isso acontece, não há garantia de lucro a partir do montante inicial investido na contratação do título.

Com essas informações, o investimento fica mais seguro e sem surpresas. A carência é um recurso de proteção tanto para as instituições quanto para os investidores. Ela é a garantia do rendimento completo e da entrega de bons resultados ao final desse prazo.

As aplicações em renda fixa com carência são perfeitas para o investidor de perfil conservador e que pretende ter rendimentos em longo prazo. Assim, quando tiver acesso ao dinheiro, ele terá sofrido positivas alterações com o fim do investimento.

Agora que você já sabe tudo sobre o prazo de carência, pode investir sem medo e ciente de tudo que envolve essa modalidade! Aproveite e deixe seu comentário ou dúvida aqui no post!

Deseja receber outras informações sobre investimentos financeiros? Então, assine já nosso newsletter!

 

Nome:

Seu e-mail:


 

Saiba mais: